Bitcoin ouro digital do século

Foi em 2009, vértice da crise financeira global, que apareceu um alônimo em um fórum de cypher-punk apresentando “Bitcoin: A Peer-to-Peer Electronic Cash System”, o que deve ser traduzido para Bitcoin: Uma grana eletrônico.

Para entendermos o que é bitcoin é necessário entendermos que todo grana que usamos hoje em dia precisa de um emissor concentrado, alguma coisa como um Banco como a casa da moeda. Apesar disso, é preciso descobrir que toda transação monetária também passa por uma entidade governamental ou privada, porém continuamente centralizada, como o Paypal ou o banco do aplicativo que você possui alojado em seu smartphone.

O bitcoin veio para desconstruir todo essa noção de terceirizada. Este é o que chamamos de criptomoeda, isto é, fundamentado em criptografia digital, descentralizado possui sua emissão prevista controlada. Possui uma semelhança bastante extensa como ouro, que é escasso, precificado por oferta demanda não é emitido por nenhum governo, simplesmente é minerado um pouco. Especialistas até chamam o bitcoin de digital ou ouro 2.0.

Circulando na rede, o bitcoin deve ser atrasado detalhe a detalhe ou de persona para persona, sem que seja imprescindível uma terceira, prometer que aquela moeda não seja falsa ou esteja sendo gasta um par de vezes. Por fim, como é alguma digital, poderia ser copiada com um Ctrl+C Ctrl+v.

Isso não acontece porque a criptomoeda possui o que chamamos de blockchain, que é um livro-caixa ou uma sorte de planilha do Excel que registra todas e cada uma das transações que aconteceram internet, de modo transparente inalterável. É essencial frisar o noção inalterável, porque é isso que torna o blockchain uma técnica extremamente segura que está sendo explorada por grandes empresas nos últimos tempos, para sustentar registros de operações financeiras, imóveis, entre muitos outros.

O blockchain é bastante protegido porque existem os mineradores. Não são pessoas com picaretas quebrando pedras, até, se o termo fosse auditores, seria mas simples de explicar. Esses auditores fazem o processo de analisar todas e cada uma das transações que estão ocorrendo na internet bitcoin, ou melhor, sobretudo veem a origem da transação, verificam se ela não é falsa, se não está sendo gasta um par de vezes atualizam os saldos cujo está enviando cujo está recolhendo a moeda virtual. A qualquer 10 minutos, encapsulam tudo isso em um conjunto informam a todos e cada um dos pontos que aquelas transações são legítimas descartam as ilegítimas. Esse processo é constituído nas redes sociais, utilizando máquinas específicas, tal e como se fosse a etiqueta, integralmente peer-to-peer.

Toda essa introdução ao que é bitcoin, blockchain mineração serve para mostrar porque a moeda virtual já deu certo, a tendência é que sua corroboração melhore qualquer vez mas. Atualmente, varias instituições financeiras empresas de técnica investem de forma direta ou indiretamente no bitcoin, para utilizar a ciência do blockchain. Fica antenado neste artigo o Segredo do bitcoins 2.0, tem bastante dicas sobre a moeda virtual. Eles desejam uma forma segura mas barata de realizar registros públicos imutáveis, como uma sorte de cartório 2.0, ou também uma forma mas rápida segura de realizar transações financeiras entre países, abolindo o popular Swift (Society for Worldwide Interbank Financeiro Telecommunication), Sociedade de Telecomunicações Financeiras Interbancárias Mundiais.

Para se ter uma noção, conforme a PwC, até o final de 2016, bancos fundos de investimento já haviam acometido mas de 1,4 bilhões de dólares em startups de bitcoin blockchain pelo planeta. Aliás, hoje em dia o bitcoin já tem um preço de mercado de 46 bilhões de dólares, alguma coisa ainda pequeno se comparado ao seção financeiro em por norma geral, porém isso mostra a possibilidade de desenvolvimento da criptomoeda.

Durante esses oito anos que o bitcoin tem sido testado pelo planeta, sua segurança confiabilidade já foram provadas pelos usuários empresas que a utilizam, para começar investimentos precisa ter um mindset treinado para o dia a dia , porém agora o maior duelo da técnica é confirmar sua escalabilidade. Nos últimos meses, uma adesão em tamanho ao bitcoin, somada a ataques de SPAM internet, fizeram com a rede ficasse congestionada de pequenas transações, encarecendo a taxa paga aos mineradores para realizar as auditorias. Atualmente, essa taxa está em torno de 0,001 bitcoin ou R$10, montante grave se você for transacionar milhões, porém uma taxa subida se você for fazer micro transações.

Felizmente, estão trabalhando em soluções de escalabilidade, programadores de todo o planeta sugerem novas especificações técnicas, métodos de aumentar a capacidade da rede até novas camadas para fazer as transações do quotidiano o bitcoin tão somente para os fechamentos conciliações.

Desta forma, acredito que o bitcoin é, sem dúvidas, o grana do horizonte. Esse novo agente monetário veio para revolucionar a forma como guardamos, ganhamos gastamos nossa renda. Então, é importante ficarmos de olho nos movimentos do mercado escoltar esse crescente da criptomoeda no país.

Para garantir a sua segurança este sites faz uso de cookies